terça-feira, 17 de outubro de 2017

Desta Margem


Escrevo da margem de mim; lugar
de onde sinto cair a noite, e chegar mais
uma hora, hesitante, como eu.

Aqui o tempo para e recomeça, quando
o céu se arqueia sobre o topo
da montanha à qual me encosto e de onde
conto estrelas, ainda à espera de
ver chegar a minha estrela – azul, livre,
fugaz - tão fugaz como os dez ou cem
versos que ao acaso escrevi, mas sei lá porquê
rasguei e esqueci de vez,
como tanta vez caí no esquecimento de quem sempre
lembrei, com a promessa de ser só mais uma vez – uma última vez.

Nesta margem de mim, de onde escrevo,
a vista para o mar não existe, mas
ainda assim, sinto morrerem ondas que me levavam e
traziam sonhos para partilhar com quem é desertor dos meus abraços,
e morador de lembranças que enterro com as saudades sob esta terra,
sob este chão em que me sento p’ra escrever.

Tenho por companhia a solidão calada e pacífica, com quem partilho uma taça de tanto que não se diz.
Bebemos dos pensamentos, gota a gota,
como se fossem agua gelada de ausência,
ou vento quente de emoção.
Lá longe o tempo chama-me, mas,
atirei o relógio fora, e só deixo esta terra,
se for p’ra ser certeza.

Já não me basta o que me dói,
e eu vejo desta margem um rio de esperanças,
com brumas de vida que o meu coração almeja sentir,
assim como eu desejo sonhar
todos os dias, sem porquês…

*

Ilustração © by   Patrícia Magalhães
Desta Margem


Sem comentários:

Publicar um comentário

Ao meu lado existe o vosso lado, e aqui é o vosso espaço. Desejo imenso ler-vos !