quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Um Poema de Areia Para um Amor que o Mar Levou

 

 

Sabes,

já perdi a conta aos dias que me sentei aqui,

junto ao mar, na esperança de encontrar

a forma correta para que outra vida tome o lugar

disto a que chamámos de amor.

Mas, não sou tão boa nisto, como podes perceber.

Os versos e consequentes poemas são

mais que muitos e este, pode

ser só mais um que vou

enviar-te com a partida da próxima onda que

sai desta praia, já a seguir.

 

Sei que não lerás nada do que te escrevo,

mas, o vento sabe de todas as promessas

que te não fiz, e dos segredos que te não guardei e, isso é tudo…

É por isso que mais poema, menos poema,

que diferença faz?

Morrem todos no fundo do mar, sem norte, como

nós, que em terra,

ainda esperamos encontrar a praia prometida,

sabendo de antemão, que o tempo escasseia, como o amor e,

como a areia que se vai com o vento, apagando

assim as marcas do que sentimos, noutros dias de um outro então.

 

Já só cabe numa concha tudo aquilo

que partilhámos. E eu não

a levo comigo quando virar costas ao passado.

Vou deixá-la junto ao rebentar das ondas,

onde a espuma me condensa as lembranças, para as apagar logo depois, numa

tentativa de adeus, tão semelhante

ao adeus que nos dissemos, tão logo o sol se pôs.

 

Espera-me mais uma noite azul, escura,

como o escuro das sombras deste lugar.

Hei de procurar outra praia, mesmo que não

me seja prometida e, escrever outros

poemas que servirão p’ra contar outras coisas que

espero ter tempo de ver acontecer.

 

Hei de ter tantas mais noites como estas,

em que a solidão me faz companhia sem que me

exija algo em troca e as estrelas,

marquem presença pra me lembrar que:

outros tempos não são agora e,

este é só mais um poema de areia, para

um amor que o mar levou.

 

 

*

 

 

1 comentário:

  1. Anónimo14:21:00

    Muito bom, agora quem será essa paixão envolta em toda a tua poesia!

    Está na hora de escrever mais, inativa desde 28 de agosto é mujito tempo!

    Rui

    ResponderEliminar

Ao meu lado existe o vosso lado, e aqui é o vosso espaço. Desejo imenso ler-vos !